sábado, agosto 20, 2005

De Helena de Lisboa a velha Tróia.

Se você quer conhecer blogueiros lusitanos, essa é a sua oportunidade. Por falar nos nossos amigos portugueses, encontrei uma lisboeta,chamada Helena , ela estabelece novos alicerces para a poesia, que se a velha Tróia tivesse tais bases, a história seria outra. Ela também tem uma amiga, chamada Naomi , que tem umas fotos maravilhosas, vale apena ir até o Japão para ver. Conheci também uma poetisa, verdadeira navegante das artes da poesia,chamada Marilia. Ela tem um estilo gostoso, suave e intimista sem ser piegas. Amei ! Vou colocar um poema dela pra vocês apreciarem :

Um poema
faltou o rapaz do meio
por que ele não veio?
porque foi cobrir alguém.
alguém que faltou?
cobrir um corpo já frio
com o cobertor do silêncio.
alguém que já foi
e não volta
não é matéria de poesia.
poesia é ler poesia
poesia é beleza fria
não este dia quente
hoje estampado em notícia
da qual o coração desvia.
eu me calo
que me ensinaram a perder
a voz cada vez mais fraca
eu grito mas tão escuro
que o silêncio me enterra
e o grito no terror dos gritos
ensurdece -
porque é preciso silêncio
mais que um minuto de nadas
pra lembrar a morte
que vive todos os dias
please please go home
brother is only a friend
mas você não entende
você acha que preciso
da forja do fogo amigo
de ter medo do imprevisto
de um amor clandestino
não preciso de armas
enquanto tiver palavras
nem da proteção do fogo
que cuspe o logro do fogo
quero o pequeno mundo
eu quero paz na aldeia
quero voltar pra tribo
não o mundo perfeito
fio frio abandonado
pelo sangue quente
les enfants de ma patrie
são os primeiros a cair
mas não em vão:
sobre um pedaço de papel
no peito do morto à toa
flutua a palavra Não.

Autora: Marilia

2 comentários:

marilia disse...

Oi, Kleverson,

pode publicar meu poema no seu blog.
bj
mk

Anônimo disse...

Obrigada pela visita. Claro que pode colocar o que escrevi no dia do seu aniversário desde que indique a fonte.
Abc

Helena Monteiro